maio 25, 2022

Fofoca

Notícias sobre as manchetes de Portugal no NewsNow: o balcão único para

Uma enorme e misteriosa explosão descoberta no espaço profundo surpreende os cientistas

Uma enorme e misteriosa explosão descoberta no espaço profundo surpreende os cientistas

Os astrônomos podem detectar poderosas explosões de energia do universo profundo e profundo.

Às vezes, a fonte dessas erupções é um mistério.

Os cientistas observaram recentemente uma explosão gigante a cerca de 130 milhões de anos-luz da Terra. Antes, hum Descubra uma colisão maciça Aqui de uma fusão conhecida de duas estrelas de nêutrons – estrelas colapsadas que são talvez os objetos mais densos do universo. Mas esse evento dramático, que produziu uma poderosa corrente de energia, começou a desaparecer. Depois de cerca de três anos e meio, outra coisa, algo novoou criar outra estranha explosão ou liberação de energia.

“Há algo mais acontecendo agora”, disse Ido Berger, professor de astronomia da Universidade de Harvard e um dos cientistas que descobriram esse novo evento cósmico, ao Mashable.

A explosão de energia, capturada pelo Observatório de Raios-X Chandra da NASA (que detecta emissões de lugares extremamente quentes do universo), foi intensa. Os astrônomos o comparam a voz alta Feito quando um avião em alta velocidade quebra a barreira do som.

no Nova pesquisa publicada em Cartas de jornais astrofísicosAbrajita Hajela, o astrônomo que liderou a pesquisa, explicou que os astrônomos estão propondo dois cenários possíveis que podem explicar o evento, nenhum dos quais foi observado anteriormente. Hajela é doutoranda no Departamento de Física e Astronomia da Northwestern University.

  1. Brilho Kilonova: Que? Nesta interpretação inovadora, quando duas estrelas de nêutrons (objetos tão densos que uma colher de chá de uma estrela de nêutrons pesa cerca de um bilhão de toneladas) colidem, elas causam uma explosão extremamente brilhante, chamada kilonova. Uma kilonova pode ser de grande importância para o universo e nossa vida: os astrônomos acreditam que elementos e minerais importantes foram formados nessas explosões, como ouro e platina. “É um dos locais dominantes propostos para os elementos mais pesados ​​do universo”, explicou. Hagelah.

    Mas após essa explosão maciça de kilonova, os astrônomos sugeriram que os detritos se espalharam no espaço, gerando uma onda de choque ou explosão. A explosão aqueceu qualquer coisa ao seu redor, como gases ou poeira estelar. Este é o brilho de kilonova ou pós-brilho que podemos detectar a milhões de anos-luz de distância.

  2. Buraco negro: Outra possibilidade é que a dramática fusão de uma estrela de nêutrons tenha levado à criação de um buraco negro – “um objeto com uma força gravitacional tão forte que nada, nem mesmo a luz, pode escapar dele”. NASA explica Agora o material da colisão está caindo no buraco negro. Quando os detritos caem, liberam muita energia enquanto orbitam em torno do poderoso objeto escuro. Esta pode ser a fonte dessa energia recém-descoberta do espaço distante.

Estrelas de nêutrons colidem na ilustração.

Representação artística da colisão de duas estrelas de nêutrons.
Crédito da imagem: National Science Foundation / LIGO / Sonoma State University / A. Simonnet

Gases quentes e detritos em torno de estrelas de nêutrons

Visualização artística de gás quente e detritos retirados de nêutrons antes de colidirem.
Crédito de imagem: NASA Goddard Space Flight Center / CI Lab

Não surpreendentemente, duas estrelas de nêutrons colidem no espaço. Na verdade, é comum que as estrelas orbitem perto de outras estrelas no mesmo sistema solar. Muitas estrelas não são tão solitárias quanto o Sol. “A maioria das estrelas são encontradas em sistemas com um ou mais companheiros”, explicou Hagel. Eventualmente, as estrelas ficam sem combustível e entram em colapso. Então, estrelas de nêutrons densamente compactadas podem perder impulso e colidir, resultando em fusões e grandes explosões de energia.

Agora, a questão iminente é como os astrônomos determinarão se detectam um brilho de kilonova ou matéria caindo em um buraco negro. Eles continuarão a ver o tipo de luz, ou radiação, vindo deste local do espaço profundo. Isso revelará a fonte. (Se o brilho for mais tarde, eles esperariam mais emissões de rádio; mas os buracos negros emitem emissões de raios X.)

Quem sabe o que essas observações a seguir revelarão sobre eventos que ocorrem no universo profundo?

“Esse não é o fim da história”, disse Berger.