maio 28, 2022

Fofoca

Notícias sobre as manchetes de Portugal no NewsNow: o balcão único para

Roman Abramovich, dono do Chelsea FC, tem bens congelados pela Grã-Bretanha

Roman Abramovich, dono do Chelsea FC, tem bens congelados pela Grã-Bretanha

LONDRES – Para os jogadores e treinadores do Chelsea, os primeiros trechos de informações chegaram em mensagens de texto e alertas de notícias que fizeram seus telefones celulares tocarem enquanto se dirigiam a um terminal privado no aeroporto de Gatwick, em Londres, na manhã de quinta-feira.

O governo britânico congelou os ativos do proprietário russo de sua equipe, Roman Abramovich, como parte de um conjunto mais amplo de sanções. anunciar Contra um grupo de oligarcas russos. Essa medida, parte da resposta do governo à invasão russa da Ucrânia, foi projetada para punir um punhado de indivíduos cujos negócios, fortunas e relacionamentos estão intimamente ligados ao Kremlin. O governo britânico disse que Abramovich desfruta de um “relacionamento próximo” com o presidente russo, Vladimir Putin, há décadas.

A ordem foi aplicada a todos os negócios, propriedades e posses de Abramovich, mas seu impacto mais significativo – e mais famoso – foi no Chelsea, campeão europeu de futebol, que naquele exato momento iniciava sua jornada para o jogo da Premier League na noite de quinta-feira. na cidade de Norwich.

Notícias e declarações do governo preencheram lentamente algumas das lacunas: Abramovich Planejando vender a equipe são agora inadmissíveis e suspensos; clube era Muharram de vender ingressos ou mercadorias, para que o dinheiro não retorne ao seu proprietário; A equipe está banida – no momento – de Aquisição ou venda de jogadores No mercado de negociação de futebol multibilionário.

E hora após hora, outra coisa ficou clara: o Chelsea, um dos principais times da Europa e candidato ao título da Liga dos Campeões nesta temporada, de repente enfrentava um futuro preocupante, marcado por austeridade, incerteza e decadência.

Mesmo ao anunciar suas ações contra Abramovich e seis outros oligarcas russos, o governo disse que tomou medidas para garantir que o Chelsea pudesse continuar suas operações e completar sua temporada. O governo disse que, para proteger os interesses do clube, o Chelsea emitiu uma licença que lhe permite continuar suas atividades relacionadas ao futebol.

READ  Pontos altos da cerimônia de encerramento: Pequim encerra Jogos marcados por vitória, desgosto e escândalo

A licença, que o governo disse estar sob “revisão contínua”, garantirá que jogadores e funcionários continuem sendo pagos; que os adeptos titulares de bilhetes de época possam continuar a assistir aos jogos; E que a integração da Premier League, que é uma importante riqueza cultural e uma das exportações mais importantes da Grã-Bretanha, não será afetada.

Mas as penalidades aumentarão seu controle sobre os gastos do Chelsea e prejudicarão seriamente sua capacidade de operar nos níveis em que esteve nas últimas duas décadas.

Na quinta-feira, os esforços para garantir que o dinheiro não fluísse para Abramovich eram grandes e pequenos. A empresa de telecomunicações suspendeu o patrocínio da camisa – uma lucrativa fonte de receita – e exigiu que seu logotipo seja removido do uniforme e do estádio do Chelsea.

Em um hotel de propriedade do clube perto do estádio Stamford Bridge da equipe, a recepção parou de reservar quartos e o restaurante fechou o serviço de comida e bebida. Ao virar da esquina, na loja oficial do time do Chelsea, os negócios continuaram como de costume até que os seguranças fecharam a loja abruptamente. Os compradores, que estavam enchendo cestas com mercadorias do clube, foram solicitados a colocar tudo de volta em seu lugar e sair.

Momentos depois, faixas foram coladas nas entradas trancadas. Eles diziam: “Devido ao último anúncio do governo, esta loja estará fechada hoje até novo aviso”.

Um futuro incerto está à frente, já que as sanções afetam tudo, desde o dinheiro que o Chelsea gasta em viagens até como eles gastam as dezenas de milhões de dólares que recebem das emissoras de TV.

Chelsea Reconheça sua nova realidade em nota, mas indicou que pretende entrar imediatamente em discussões com o governo sobre o alcance da licença concedida à equipe. Isso incluirá, disse a equipe, buscar permissão para alterar a licença para permitir que o clube opere o mais normalmente possível.

READ  Olimpíadas ao vivo: contagem final de medalhas para os Jogos de Pequim

No clube na manhã de quinta-feira, os funcionários lutavam para se ajustar ao que as medidas do governo significariam para eles, seus empregos e a equipe. Vários dirigentes do clube, incluindo o técnico do Chelsea, Thomas Tuchel, o alemão, e a tenente-chefe de Abramovich, a diretora do clube, Marina Granovskaya, ainda estão tentando entender o que podem e o que não podem fazer.

Um grande negócio está fora da mesa: um congelamento dos ativos de Abramovich torna impossível – pelo menos no curto prazo – que ele continue com seus negócios. Anunciados planos para vender o Chelsea. Sob o novo arranjo, o processo será supervisionado pelo governo britânico. E embora ela tenha dito que não impediria necessariamente a venda, o efeito seria reduzir drasticamente qualquer preço de venda proposto, e os rendimentos “não podem ir para o indivíduo sancionado enquanto são sancionados” – deixando pouco incentivo para Abramovich seguir em frente.

Aconteça o que acontecer a seguir, nada será o mesmo no Chelsea. Desde a chegada de Abramovich como um empresário russo pouco conhecido em 2003, ele gastou mais dinheiro na compra de talentos do que quase qualquer outro dono de clube na história do futebol, com o fluxo constante de jogadores e treinadores entrando e saindo do clube como sua marca registrada. anos no cargo. Nos minutos após o anúncio das sanções, logo ficou claro que o Chelsea deixaria de ser um jogador no mercado multibilionário de negociação de jogadores, incapaz de adquirir novos talentos, vender qualquer um de seus jogadores existentes e sem o sistema usual de Abramovich. Ele injetou sua fortuna pessoal para continuar pagando os enormes salários dos jogadores que atualmente emprega.

Para os torcedores do Chelsea também, houve confusão sobre como e quando eles podem assistir aos jogos. Embora os ingressos para a temporada permaneçam válidos, quaisquer novas vendas, incluindo partidas fora de casa e, mais importante, quaisquer futuras partidas da Liga dos Campeões são proibidas se a equipe avançar para as rodadas posteriores da competição. A próxima partida do Chelsea na Liga dos Campeões está marcada para quarta-feira contra o Lille, campeão francês. Uma vaga nas quartas de final está em jogo.

READ  Fechamento da MLB: atualizações ao vivo à medida que as negociações da CBA continuam após o prazo da liga adiado para terça-feira ao meio-dia

Esta viagem e qualquer viagem futura para fora de Londres agora serão cuidadosamente examinadas depois que o governo anunciou um limite de £ 20.000 (cerca de US $ 26.000) por jogo em despesas de viagem. Essas penalidades podem estar entre os pontos de discussão, já que jogadores e funcionários do Chelsea viajaram para o terminal privado do aeroporto de Gatwick, no sul de Londres, em um avião fretado para a curta viagem a Norwich.

A essa altura, o telefone de Tuchel estava tocando. Tuchel, o treinador que na semana passada Com raiva respondeu a uma série de perguntas Sobre Abramovich e Ucrânia em uma entrevista coletiva, eles provavelmente não sabiam um pouco mais do que aqueles que estavam fazendo perguntas a ele.

Na quinta-feira, ele tentaria se concentrar na viagem ao Norwich City, onde seu time venceu por 3 a 1, e na viagem que se seguiria no domingo, o primeiro jogo do Chelsea em casa desde que o mundo virou de cabeça para baixo.

Nessa partida, talvez pela última vez em meses, o Chelsea jogará full house. Uma placa instalada na entrada de Stamford Bridge na quinta-feira dizia: ‘Jogo fora de casa contra o Newcastle United’.