setembro 19, 2021

Fofoca

Notícias sobre as manchetes de Portugal no NewsNow: o balcão único para

Ottelo, o arquitecto da revolução de 1974 em Portugal, morreu aos 84 anos.

Postado em: Modificado:

Lisboa (AFP)

A equipa dos Capitães de Abril anunciou neste domingo que Odelo Saraiva de Carvalho, o arquitecto conhecido como Revolução dos Cravos, que pôs fim a mais de quatro décadas de ditadura em Portugal, faleceu no domingo aos 84 anos.

Chamado simplesmente de Ottelo em Portugal, ele morreu em um hospital militar em Lisboa, o coronel Vasco Lurenko, um porta-voz do grupo por trás da revolução de abril de 1974, disse à mídia nacional.

A figura de grande visibilidade mas polémica desempenhou um papel fundamental na conspiração incruenta, que trouxe grandes mudanças sociais, económicas e políticas para Portugal.

A chamada Revolução dos Cravos ocorreu na madrugada de 25 de abril de 1974, pondo fim a uma ditadura que durava desde 1926 com Antônio de Oliveira Salazar e desde 1968 com Marcelo Citano.

“Ele é um dos símbolos da revolução que acabou com a mais longa ditadura da Europa do século 20, abrindo caminho para a democracia”, disse o gabinete do primeiro-ministro Antonio Costa em um comunicado.

Sua “capacidade estratégica e operacional (e) seu compromisso e generosidade são cruciais” para o sucesso do movimento, disse o comunicado.

Othello nasceu em 1936 em Moçambique, então na colônia portuguesa.

Iniciou a sua carreira militar durante as guerras coloniais portuguesas no início dos anos 1960.

Após a revolução, Ottelo tentou usar sua reputação militar para fazer duas tentativas fracassadas de concorrer à presidência.

O dissidente foi ferido no banco dos réus, pois estaria envolvido no movimento de extrema esquerda FP-25, acusado de vários ataques mortais na década de 1980.

Ele foi condenado a 15 anos de prisão em 1987 e depois perdoado em 1996.

READ  HCL Tech nomeia Adolfo Calvino Asencio como Presidente da Espanha, Portugal

O Partido Comunista Português, em resposta à morte de Odelo, disse que o seu papel, especialmente no levante de 1974, deve ser lembrado e “não pela sua carreira política”.

O partido de extrema direita Seka, por sua vez, disse que “desempenhou um papel perverso e destrutivo no período que se seguiu a 25 de abril”.

O ministro da Defesa, João Gomez, prestou homenagem a Gravinho “pelo papel que desempenhou na captura da liberdade”.

Apesar de ser um “protagonista de um momento crucial da história portuguesa contemporânea,” Ottello “provoca profundas divisões na sociedade portuguesa”, afirmou o Presidente Marcelo Rebello de Sousa.

Mas o chefe de estado conservador disse no site do presidente que “a história logo o resolverá com os contratempos necessários”.