outubro 26, 2021

Fofoca

Notícias sobre as manchetes de Portugal no NewsNow: o balcão único para

O bizarro “nevoeiro” pode estar ligado ao vulcão das Canárias

O Instituto Português de Administração Marinha e Atmosférica (IBMA) está a explorar a possibilidade de uma reacção química provocada pelo vulcão La Palma formar um “nevoeiro” à volta das ilhas centrais dos Açores.

Em declarações à agência noticiosa Lusa, Carlos Ramalho, do IBMA de Assos, disse que “baixa visibilidade” e “nevoeiro” podem “emergir do vulcão La Palma” no painel central do arquipélago.

Segundo ele, trata-se de “sulfato”, que é “vapor de água” e cria “nevoeiro” devido à elevada humidade registada nos Açores.

O meteorologista ressaltou que o IBMA ainda “confirma” a hipótese, e que ela “não tem relação com as cinzas do vulcão”, mas destaca a possibilidade de se tratar de um processo químico.

“São reações químicas que se espalham pelo Atlântico. São reações químicas que ocorrem a partir de erupções vulcânicas, liberando diversos gases. Alguns desses gases, ao se moverem pela atmosfera, sofrem reações químicas ao chegarem. [to the region] Eles criaram esse sulfato ”, disse ele.

Ele acrescentou: “Esse sulfato é adicionado ao vapor d’água e, à medida que a umidade aumenta, essa névoa se forma. É o que pensamos, mas ainda não temos uma resposta oficial.

Carlos Ramalho disse que quando a visibilidade é reduzida pelas areias do deserto, “normalmente tudo fica muito sujo e empoeirado”.

Segundo ele, foi “possível” que o sulfato se espalhe para outras áreas, mas “as pessoas nem notaram” por causa da “falta de umidade” nessas áreas.

Acreditando que a confirmação oficial estará disponível “nas próximas horas”, Carlos Ramalho disse que a “concentração” de sulfato é muito baixa e que “a situação deve melhorar” no sábado.

O vulcão Cumbre Viza está localizado na ilha de La Palma, uma das ilhas do arquipélago espanhol das Canárias, no Oceano Atlântico, na costa de Marrocos.

READ  O outro lado do império português

A erupção começou em 19 de setembro e forçou mais de 6.000 pessoas a fugir de suas casas.

Até agora, nenhum ferimento ou morte foi relatado.

De acordo com o Serviço Geológico Copernicus da União Europeia, a ilha vulcânica destruiu 656 edifícios e cobriu 268 hectares.