setembro 24, 2022

Fofoca

Notícias sobre as manchetes de Portugal no NewsNow: o balcão único para

Música em vinil aumenta receita – Portugal News

De acordo com os direitos dos fabricantes fonográficos (AudioGest), a receita da música gravada em Portugal foi de 25,7 milhões de euros no ano passado, um aumento de 19,2% face ao ano anterior.

Em seu relatório anual sobre o mercado de discos para 2021, a Audiogest aponta que “as vendas de corpos aumentaram 29,4% em relação a 2020 e superaram as vendas em 3,8% em 2019 (antes da epidemia Govt-19)”. E “vetor de vinil para essa recuperação tem acumulado nas vendas”.

De acordo com um documento enviado à Agência Lusa, até 2021 o mercado digital será responsável pelo grosso da receita nacional, 71,6% da receita global, o equivalente a cerca de 18,9 milhões de euros.

As vendas físicas correspondem a 27,2% das receitas (aproximadamente sete milhões de euros) e a sincronização a 1,2% (aproximadamente 313 mil euros).

Em termos de mercado digital, a maior parte da receita (97,3%, ou seja, cerca de 17,9 milhões) vem do streaming.

Em 2020, a receita de streaming foi de 0,4 15,4 milhões, indicando um aumento de 16,1%.

Os restantes 3% das receitas do mercado digital (aproximadamente 505 mil euros) representam outras receitas digitais como os segmentos ‘Downloads’ e ‘Mobile’.

Venda do corpo

Em relação a 2020, as vendas de carrocerias registraram um aumento de 29,4%. Em 2020, a receita de vendas de carrocerias foi de 5,4 milhões de euros e em 2021 foi de sete milhões.

Ao contrário dos álbuns, singles e DVDs, a física respondeu pela maior fatia do mercado (98,2%, ou seja, cerca de 6,6,8 milhões).

Neste campo, o vinil destaca-se por si só, com a AudioGest a destacar “algo que vai acontecer pela primeira vez em dez anos”, com 58,5% das vendas de álbuns até 2021 e 41,3% em CD.

READ  Detalhes adicionais da visita do Papa a Portugal foram anunciados

As receitas de copywriting privado aumentaram 35% face a 2020, registando receitas de cinco milhões de euros, “como resultado indireto da situação epidémica e com os consumidores a adquirirem mais equipamentos”.

Em termos de direitos de produtores e artistas, apesar de um “declínio acentuado nas licenças para angústias relacionadas à epidemia e espaços e eventos públicos”, as receitas caíram ligeiramente em 2021, de 15,6 milhões registrados em 2020 para 15,4 milhões. Milhões em 2021.