setembro 19, 2021

Fofoca

Notícias sobre as manchetes de Portugal no NewsNow: o balcão único para

Lisboa está impulsionando a revolta do vírus enquanto Portugal está à beira da derrota

O aumento dos casos de COVID-19 na região de Lisboa continua, com novas infecções levando os novos casos diários de Portugal a um máximo de quatro meses

Portugal registrou na quarta-feira quase 1.500 novos casos, dois terços dos quais vivem na região da capital de 2,8 milhões de pessoas. Três pessoas morreram nas 24 horas de COVID-19 em Portugal.

O total de casos de COVID-19 nacionais em 14 dias por 100.000 pessoas aumentou para 130 – mais do que o dobro do que era há três semanas.

A pressão sobre os hospitais é controlável, 437 pacientes com vírus foram internados e 100 estão em tratamento intensivo. O governo português já proibiu as pessoas de entrar e sair da região de Lisboa aos fins-de-semana, embora no fim-de-semana passado a polícia fosse muito má.

Os especialistas culpam a variante delta pela disseminação viral de Lisboa, que se estima ser responsável por mais de 70% dos casos. O governo deve anunciar novas restrições a Lisboa após uma reunião de gabinete na quinta-feira.

Para aumentar a velocidade das vacinações, as autoridades reabriram quarta-feira um centro de vacinação no estádio da Universidade de Lisboa, que é operado pelas Forças Armadas portuguesas. A partir de segunda-feira, será inaugurado um posto de vacinação ambulante na zona ribeirinha da capital Alcantara.

READ  Netflix em Portugal e não frio

Enquanto isso, o chefe da Força-Tarefa Nacional de Vacinas disse que espera atingir a meta de 70% da população vacinada até a terceira semana de agosto.

É muito mais tarde do que o plano inicial, que era atingir a meta no início do verão, mas o contra-almirante Henrique Couvia e Mello diz que Portugal está recebendo menos de 130 mil vacinas por dia.

Na quarta-feira, um relatório de especialistas em saúde sobre o tratamento dado por Portugal à epidemia de COVID-19 alertou que o país não tinha aprendido com o que tinha acontecido nos últimos 15 meses. “Não se preocupe em tomar decisões, pois algo deu errado”, disse o relatório.

O relatório às organizações de saúde portuguesas, que inclui um grupo de actuais e antigos dirigentes da saúde pública, afirma que é bom que os principais partidos políticos do país se mantenham unidos e que os portugueses seguem frequentemente regras relacionadas com a exclusão social e o uso de máscara.

Mas disse que os políticos pressionaram os profissionais de saúde a fazer recomendações politicamente “convenientes” e que o Conselho Nacional de Saúde Pública raramente era usado e era fortemente financiado. Além disso, as autoridades não implantaram duas unidades especiais para melhorar a epidemia no país.

“Não aprendemos com essa experiência o que precisa ser feito melhor no futuro”, disse o relatório.

———