dezembro 7, 2022

Fofoca

Notícias sobre as manchetes de Portugal no NewsNow: o balcão único para

Grávida e bebê morrem após explosão em maternidade na Rússia

Grávida e bebê morrem após explosão em maternidade na Rússia

Mariupol, Ucrânia (AFP) – Uma mulher grávida e seu bebê foram mortos depois que a Rússia bombardeou a maternidade onde ela deveria dar à luz, apurou a Associated Press. Imagens de uma mulher sendo transportada em uma ambulância em uma maca voaram ao redor do mundo, capturando o horror do ataque ao ser humano mais inocente.

Vídeo e fotos Foi filmado por repórteres da Associated Press na quarta-feira Após o ataque ao hospital, a mulher foi vista atingindo seu estômago ensanguentado enquanto os socorristas a corriam pelos escombros na cidade sitiada de Mariupol, seu rosto pálido refletindo seu choque com o que acabara de acontecer. Foi um dos momentos mais brutais ainda na guerra de 19 dias da Rússia na Ucrânia.

A mulher foi levada para outro hospital, mas mais próximo da linha de frente, onde os médicos trabalhavam para mantê-la viva. Os médicos, depois de perceberem que ela estava perdendo o bebê, disseram a eles: “Me matem agora!”

O cirurgião Timur Marin descobriu que a pélvis da mulher estava fraturada e seu quadril separado. O cirurgião disse que os médicos entregaram o bebê por cesariana, mas que “não mostrou nenhum sinal de vida”.

Então eles se concentraram na mãe.

“Mais de 30 minutos de ressuscitação materna não deram resultados”, disse Marin no sábado.

“Ambos morreram.”

Em meio ao caos que se seguiu ao ataque aéreo de quarta-feira, os paramédicos não tiveram tempo de obter o nome da mulher antes que seu marido e pai chegassem para extrair seu corpo. Eles disseram que pelo menos alguém veio buscá-lo – para que não acabasse nas valas comuns que foram cavadas para muitos dos mortos em Mariupol.

Avaliar
miniatura de vídeo do youtube

Autoridades russas, acusadas de crimes de guerra, alegaram que a maternidade havia sido tomada por extremistas ucranianos para usar como base, e que nenhum paciente ou médico foi deixado lá dentro. O embaixador da Rússia nas Nações Unidas e a embaixada russa em Londres descreveram as fotos como “notícias falsas”.

READ  Ucrânia diz que violações de cessar-fogo no leste continuam

Jornalistas da Associated Press, que escrevem de dentro de Mariupol sitiada desde o início da guerra, documentaram o ataque e viram as vítimas e os danos em primeira mão. Eles filmaram vídeos e fotos de várias mães grávidas ensanguentadas fugindo da maternidade destruída, paramédicos gritando, bebês chorando.

Em seguida, a equipe da AP rastreou as vítimas na sexta e no sábado no hospital para onde foram levadas, nos arredores de Mariupol.

Em uma cidade que está sem abastecimento de alimentos, água, eletricidade ou aquecimento há mais de uma semana, a eletricidade dos geradores de emergência é reservada para as salas de cirurgia.

Enquanto os sobreviventes descreviam sua provação, explosões do lado de fora abalaram as paredes. Os bombardeios e tiroteios na área são intermitentes, mas implacáveis. As emoções aumentam, mesmo quando médicos e enfermeiros se concentram em seu trabalho.

A blogueira Marianna Vyshgerskaya deu à luz uma menina no dia seguinte ao ataque aéreo, e passou o braço em torno da recém-nascida Veronica enquanto ela contava o atentado de quarta-feira. Depois de fotos e vídeos que a mostravam descendo escadas repletas de detritos e segurando um cobertor em torno de seu corpo de grávida, autoridades russas alegaram que ela estava representada em um ataque organizado.

Aconteceu no dia 9 de março no Hospital nº 3 de Mariupol. Estávamos sentados nas enfermarias quando vidros, molduras, janelas e paredes voaram”, disse Vishgerskaya, que ainda usava o mesmo pijama de bolinhas que usava quando fugiu, à AP.

Não sabemos como aconteceu. Estávamos em nossas enfermarias e alguns tiveram tempo para se cobrir, outros não.”

Sua provação foi uma das muitas em Mariupol, que se tornou um símbolo de resistência à campanha do presidente russo, Vladimir Putin, para esmagar a Ucrânia democrática e redesenhar o mapa do mundo a seu favor. O fracasso em subjugar Mariupol levou as forças russas a expandir sua ofensiva em outros lugares da Ucrânia.

READ  Deslizamentos e inundações mataram pelo menos 117 em Petrópolis brasileira

Enquanto isso, a cidade costeira de Azov, de 430.000 habitantes, que é fundamental para a criação de uma ponte terrestre da Rússia para a Crimeia, anexada à Rússia, está morrendo de fome lentamente.

Na nova e improvisada maternidade, cada nascimento que se aproxima traz uma nova tensão.

“Todas as mães passaram por muitas experiências durante o parto”, disse a enfermeira Olga Vereshagina.

Uma mãe atordoada perdeu alguns dos dedos dos pés no bombardeio. Os paramédicos realizaram uma cesariana na sexta-feira, puxando cuidadosamente a filha e esfregando vigorosamente o recém-nascido para estimular sinais de vida.

Após alguns segundos de falta de ar, o bebê chora.

Aplausos de alegria ecoaram por toda a sala. O bebê recém-nascido está chorando, sua mãe está chorando e os médicos estão enxugando as lágrimas dos olhos.

___

Acompanhe a cobertura da Associated Press sobre a crise na Ucrânia em https://apnews.com/hub/russia-ukraine