maio 28, 2022

Fofoca

Notícias sobre as manchetes de Portugal no NewsNow: o balcão único para

Fontes: EUA e aliados do G7 movem-se para retirar a Rússia do status de 'nação mais favorecida'

Fontes: EUA e aliados do G7 movem-se para retirar a Rússia do status de ‘nação mais favorecida’

O presidente dos EUA, Joe Biden, realiza uma reunião virtual com líderes empresariais e governadores estaduais para discutir questões da cadeia de suprimentos, particularmente o processamento de wafer de semicondutores, no campus da Casa Branca em Washington, EUA, 9 de março de 2022. REUTERS/Jonathan Ernst

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

WASHINGTON (Reuters) – Os Estados Unidos, o Grupo dos Sete e a União Europeia tomarão medidas nesta sexta-feira para revogar o status de “nação mais favorecida” da Rússia por sua invasão da Ucrânia, disseram várias pessoas familiarizadas com a situação. Reuters.

Uma das fontes, que falou sob condição de anonimato, disse que o presidente Joe Biden anunciará os planos na Casa Branca às 10h15 (horário de Brasília).

A Casa Branca disse que Biden anunciará “medidas para continuar responsabilizando a Rússia por sua guerra injustificada e injustificada contra a Ucrânia”, mas não deu detalhes.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

A Rússia descreve suas ações na Ucrânia como uma “operação especial”.

Tirar a Rússia de seu status de favorecido abre caminho para os Estados Unidos e seus aliados imporem tarifas sobre uma ampla gama de produtos russos, o que aumentará a pressão sobre uma economia que já está entrando em uma “profunda recessão”.

Movimentos coordenados de Washington, Londres e outros aliados se somam a uma série de sanções sem precedentes, controles de exportação e restrições bancárias destinadas a pressionar o presidente russo, Vladimir Putin, a encerrar a maior guerra na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

Duas pessoas disseram que cada país deve implementar a mudança na situação comercial da Rússia com base em suas operações nacionais.

READ  Donald Trump defende chamar Putin de 'inteligente', insinuando candidatura presidencial de 2024 | Donald Trump

Nos Estados Unidos, revogar o status de “relações comerciais normais permanentes” (PNTR) da Rússia exigiria ação do Congresso, mas legisladores de ambas as casas – e de ambos os lados do corredor político – já sinalizaram seu apoio, disseram duas autoridades.

“O presidente Biden e o governo apreciam a liderança bipartidária do Congresso e seus apelos para revogar o PNTR”, disse um funcionário, acrescentando que a Casa Branca trabalharia com legisladores na legislação para revogar o status da Rússia.

Sanções abrangentes e sem precedentes aos bancos e elites da Rússia, juntamente com controles de exportação de uma série de tecnologias, já deixaram a economia russa de joelhos, e o Fundo Monetário Internacional agora prevê que mergulhará em uma “profunda recessão” este ano.

Em 2019, a Rússia ficou em 26º lugar entre os maiores parceiros comerciais de bens dos Estados Unidos, com cerca de US$ 28 bilhões trocados entre os dois países, segundo o Escritório do Representante Comercial dos EUA.

As principais importações da Rússia incluem combustíveis minerais, metais preciosos, pedra, ferro e aço, fertilizantes e produtos químicos inorgânicos, todos os bens que podem enfrentar tarifas mais altas assim que o Congresso tomar medidas para revogar o status comercial preferido da Rússia.

Na terça-feira, Biden impôs uma proibição imediata das importações russas de petróleo e energia. Consulte Mais informação

Alguns governadores dos EUA já ordenaram que as lojas de bebidas administradas pelo governo parassem de vender vodka e bebidas destiladas fabricadas na Rússia em solidariedade ao povo ucraniano. Consulte Mais informação

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Relatório de Steve Holland e Andrea Shalal em Washington). Edição por Christopher Cushing e Michael Berry

READ  100.000 ucranianos fogem para a Polônia em meio a ataques russos | Notícias da crise russo-ucraniana

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.