outubro 26, 2021

Fofoca

Notícias sobre as manchetes de Portugal no NewsNow: o balcão único para

Finalmente! Algarve dá sinais positivos de retoma do turismo

As empresas de turismo estão ansiosas pelo outono. O lento início de verão de Portugal aumentou acentuadamente em agosto – e setembro superou todas as expectativas. Ao aliviar as restrições de viagens epidêmicas no Reino Unido, os britânicos adicionaram um fluxo saudável de europeus, garantindo um “boom” de reservas até meados de novembro.

O início da temporada de golfe é significativo num ponto de viragem – assim como a notícia de que o Masters de Portugal foi remarcado para se realizar em Vilamo em novembro.

Em entrevista reforçada ao Expresso no fim-de-semana, Luis Correa da Silva, presidente da Federação Nacional das Indústrias do Golfe (CNIG), admitiu: “Estamos no caminho da recuperação. Depois desta catástrofe de 18 meses, começamos a ver os primeiros sinais positivos e o início da recuperação em todos os percursos do Algarve.

Os negócios encontram-se abaixo dos níveis vividos em 2019 – e a recuperação em Lisboa e arredores não tem se sentido muito significativa – mas o panorama geral parece bom.

Segundo o Expresso, cerca de 50% dos passageiros que chegam ao aeroporto de Farrow a partir de meados de setembro carregam sacos de golfe – e todos os hotéis perto dos 40 campos regionais estão lotados.

Jono Fernandez, chefe do Regino de Turismo (RTA) de Alghero, disse ao jornal: “Os dados de reserva indicam uma recuperação clara. Temos bons sinais em outubro e novembro … Esperamos conseguir recuperar rapidamente o nível de demanda que tivemos durante a baixa temporada (pré-epidemia).

Elterico Vikas, presidente de longa data da Alcorve Hotel Owners Association AHETA, também destacou que os excessos, incluindo a recente ‘libertação’ de severas medidas isolacionistas – incluindo alemães, holandeses, suíços e finlandeses – são do interesse de muitos na região.

“A procura é muito grande”, disse ao Expresso, mas admitiu que nem todos os hotéis beneficiam. Um número ainda não foi selado. Olhando para trás, ele acrescentou: “As reservas estão indo bem por enquanto, mas nem todas foram aceitas: as reservas estão diferentes do que eram hoje; Ainda estamos vivendo no fio da navalha …

READ  Portugal "casa" muda as eliminatórias da Copa do Mundo para Torino

Mas, por enquanto, para cruzar os dedos, o setor está otimista.

“Teríamos tido uma temporada mais curta (em termos de negócios) do que antes da epidemia, mas foi melhor do que no ano passado, quando praticamente não tínhamos necessidade”, disse o chefe da Ehota por quase três décadas. Enfrentou inúmeras crises.

Os voos aumentam dentro e fora do Aeroporto de Faro
Um fator importante para esta baixa recuperação sazonal é o aeroporto de Farrow e as rotas de saída.

Os jogadores de golfe devem vir aqui – Jono Fernandez Eles não são apenas jogadores da Inglaterra: há também uma demanda interessante de países de língua francesa como França, Bélgica, Luxemburgo e Suíça.

Nada disso está nos níveis de 2019, mas definitivamente vem ‘lá fora’.

“Em julho, agosto e setembro, os voos começaram a chegar com passageiros mais estáveis”, explica. Assim, o boom de meados do mês passado é “duplamente importante porque é uma oportunidade de manutenção de rotas no Aeroporto de Faro (para companhias aéreas)”.

Dois eventos de classe mundial no mesmo fim de semana
Outras boas razões para manter ligações aéreas com o Faraó são dois eventos de classe mundial que acontecerão simultaneamente no próximo mês: o Masters de Portugal, de 4 a 7 de novembro, que deverá atrair 67.000 espectadores ao Sky Sports e ao MotoGP Motorcycle Championship (5 de novembro 7), e 40 para a economia local, ganhando milhões de euros.

As receitas geradas pelos mestres portugueses serão igualmente importantes. Luís Arazo, Presidente do Turismo de Portugal, descreveu o torneio como “um momento importante na expressão do prestígio internacional do nosso país”.

“British Vaccine Certificates Certified by Portugal”
Foi apontado pelo Expresso e outros meios de comunicação como mais um dos principais motivos da recuperação do turismo na época baixa.

READ  Portugal é o país mais vacinado do mundo porque a sua população conta com o seu sistema de saúde gratuito

A partir desta semana, o antigo sistema de ‘semáforos’ britânico (listado como Português Amber) desapareceu e está apenas na lista vermelha. Ele foi reaberto em muitos lugares.

Para viajar para cá durante os meses de verão, os britânicos tiveram que arcar com os custos de três testes de PCR: um antes da partida, um antes de retornar ao país e dois dias depois que o terceiro chegou ao Reino Unido. Esses regulamentos se aplicam a todos os viajantes que foram vacinados em um momento em que até mesmo os certificados de vacinação não eram aprovados pela União Europeia.

“As mudanças que virão no dia 4 de outubro não serão testadas antes que os britânicos aterrissem em Portugal ou no Reino Unido”, escreveu o Expresso.

“Eles têm que fazer um teste dois dias depois de voltarem ao seu país, mas deixará de ser um teste PCR e se tornará um teste rápido de antígeno”, postou no Twitter o ministro dos Transportes, Grant Shops.

Por outras palavras, uma viagem a Portugal já não exige três provas – “uma, é uma redução significativa dos custos e da burocracia para os turistas britânicos”, disse Jono Fernandez ao Express.

No entanto, as letras pequenas tinham aderência. Deveria haver reciprocidade do governo português quanto ao abandono dos julgamentos antes da saída da Grã-Bretanha – parece que não aconteceu.

Assim, a nota de que não há necessidade de ensaios pré-voo para Portugal enfrentou todo o tipo de problemas: alguns passageiros têm efectivamente que apresentar o embarque antes do teste negativo, enquanto outros não o têm de o fazer.

O único conselho é ‘verificar com sua companhia aérea’ antes de chegar ao aeroporto.

READ  Postal de Portugal: a praia que chamamos de lar

Páscoa 2022: momento em que a Algarev espera negócios “próximos da natureza”
Este é o artigo empolgante do Expresso ‘Cereja no Bolo’: Os estudiosos apontam para a Páscoa do próximo ano, o momento em que o turismo chegará “perto de um ano normal” – e se tudo correr bem, 2023 deve ser a temporada turística de Argel, se não para o resto de Portugal, para a epidemia de 2019 Regressou ao nível anterior.

Eliderico Vikas é um especialista ‘que tudo vê’ e cautelosamente acostumado. “Estamos satisfeitos com o aumento da demanda, mas precisamos estar atentos à realidade e não ter ciúmes de Allie”, disse ao jornal.

Face aos valores de 2019, o Algarve perdeu 82% dos visitantes britânicos este ano, sendo que entre janeiro e agosto registou-se uma queda de 70% no número de passageiros que chegam ao aeroporto de Faro.

Enquanto isso, a epidemia viu muitos operadores de turismo frustrados. “60% dos negócios são feitos por operadores tradicionais, agora são apenas 15%”, disse ao Expresso. “Toda a máquina turística está sujeita a mudanças. Deve haver uma reestruturação dos canais de distribuição (temos novas realidades como os sites digitais) e muitas ofertas fora do mercado.

Um dos ‘desafios’ imediatos é a escassez de trabalhadores qualificados. Louis Correa da Silva, do CNIG, admite que tem sido difícil encontrar pessoas para trabalhar em campos de golfe.

“A nossa principal preocupação é que, se houver uma recuperação integrada, não teremos pessoas suficientes para trabalhar e teremos de prestar os serviços de que necessitamos”, disse ao Expresso.

Por Natasha Don
[email protected]