setembro 27, 2022

Fofoca

Notícias sobre as manchetes de Portugal no NewsNow: o balcão único para

A OTAN não vê indicação de que a Rússia esteja retirando suas forças da Ucrânia

A OTAN não vê indicação de que a Rússia esteja retirando suas forças da Ucrânia

A Rússia disse na quarta-feira que devolveria mais tropas e armas às bases, mas a Otan disse que não vê sinais de retirada devido a temores de que Moscou possa invadir a Ucrânia. Logo continuou.

A Rússia reuniu cerca de 150.000 soldados no leste, norte e sul da Ucrânia, levantando temores no Ocidente de que um ataque foi planejado. Moscou nega ter tais planos e nesta semana disse que estava retirando algumas tropas e armas, mas deu poucos detalhes. Essas alegações foram recebidas com ceticismo por parte dos Estados Unidos e de seus aliados – mesmo quando pareciam ter baixado a temperatura após semanas de tensões crescentes entre o Oriente e o Ocidente.

O Ministério da Defesa da Rússia divulgou na quarta-feira um vídeo mostrando um trem carregado de veículos blindados atravessando uma ponte longe da Crimeia, península do Mar Negro que a Rússia anexou da Ucrânia em 2014. Um dia antes, o ministério anunciou o início da retirada de tropas. Após exercícios militares perto da Ucrânia.

Mas o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, jogou água fria sobre esses comentários, dizendo que a organização militar não viu nenhuma indicação de que Moscou reduziria seus níveis de tropas ao redor da Ucrânia.

“No momento, não vimos nenhuma retirada das forças russas”, disse ele antes de presidir uma reunião dos ministros da Defesa da Otan em Bruxelas.

“Se eles realmente começarem a retirar as tropas, seria uma coisa bem-vinda, mas ainda não está claro.”

Avaliar
miniatura de vídeo do youtube

Os países da aliança também expressaram ceticismo, assim como os líderes da Ucrânia. Presos entre a Rússia e o Ocidente, os líderes ucranianos tentaram repetidamente demonstrar calma, mas também força durante a crise.

READ  Itália apreende iate do bilionário russo Melnichenko

Em uma demonstração de determinação, o presidente Volodymyr Zelensky declarou quarta-feira – que alguns funcionários chamaram de possível início de uma invasão – “Dia da Unidade Nacional”. Para comemorar o dia, os manifestantes ergueram uma bandeira nacional de 200 metros em uma arena esportiva em Kiev.

“Estamos unidos pelo desejo de viver felizes em paz”, disse Zelensky em um discurso à nação. “Só podemos defender nossa pátria se permanecermos unidos.”

Os militares russos não disseram quantas tropas ou armas estão sendo retiradas e deram poucos outros detalhes. Embora o presidente russo, Vladimir Putin, tenha indicado que deseja uma saída diplomática da crise, ele não se comprometeu com uma retirada total.

Putin enfatizou que não queria a guerra e contaria com negociações para atingir seu principal objetivo de impedir que a Ucrânia se juntasse à Otan.

Embora esses comentários parecessem mudar o conteúdo, os líderes ocidentais insistiram que a crise estava longe de terminar. O presidente Joe Biden disse na terça-feira que as autoridades dos EUA não verificaram as alegações da Rússia, e o secretário de Defesa britânico, Ben Wallace, também disse que era “muito cedo para saber” se a retirada era real, observando que os russos “não tomaram medidas com gás”.

“Acho que o que não vimos é evidência da retirada anunciada pelo Kremlin”, disse Wallace à Sky News. Na verdade, temos visto um acúmulo constante de coisas como hospitais de campanha e sistemas de armas estratégicas. Até vermos uma redução adequada, acho que todos devemos ter cuidado com a direção da viagem do Kremlin.”

Na quarta-feira, caças russos realizaram missões de treinamento sobre a Bielorrússia, que faz fronteira com a Ucrânia ao norte, e pára-quedistas realizaram exercícios de tiro em campos de tiro como parte de jogos de guerra massivos que o Ocidente teme que sejam usados ​​como cobertura para uma invasão da Ucrânia.

READ  'Vale o risco': EUA lançam MANPADS na Ucrânia apesar dos temores de proliferação

O ministro das Relações Exteriores da Bielorrússia, Vladimir Makei, reiterou que todas as forças e armas russas deixarão o país após o término do exercício no domingo.

A Rússia negou que houvesse planos de invasão e zombou dos avisos ocidentais Sobre uma invasão iminente como “paranóia” e “loucura”.

Questionado pelo jornal alemão Welt se a Rússia atacaria na quarta-feira, o embaixador da Rússia na União Europeia, Vladimir Chizhov, disse sarcasticamente: “As guerras na Europa raramente começam na quarta-feira”.

“Não haverá escalada na próxima semana, seja na próxima semana ou no próximo mês”, disse ele.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, também se referiu ironicamente aos avisos da invasão de quarta-feira, dizendo que as autoridades russas dormiram bem naquela noite.

A Rússia quer que o Ocidente mantenha a Ucrânia e outros ex-estados soviéticos fora da OTAN, pare de instalar armas perto das fronteiras da Rússia e afaste as forças da Europa Oriental. Os Estados Unidos e seus aliados rejeitaram veementemente essas exigências, mas se ofereceram para entrar em negociações com a Rússia sobre maneiras de aumentar a segurança na Europa.

Falando depois de se encontrar com o chanceler alemão Olaf Schulz, Putin disse na terça-feira que o Ocidente concordou em discutir a proibição de instalações de mísseis na Europa, restrições a exercícios militares e outras medidas de construção de confiança – questões que Moscou está na mesa há anos. Ele acrescentou que a Rússia está pronta para discutir essas questões, mas apenas em conjunto com “as principais questões de importância fundamental para nós”.

Enquanto Schultz reiterou que a expansão da Otan para o leste “não está na agenda – e todo mundo sabe disso”, Putin respondeu que Moscou não se deixaria enganar por tais garantias.

READ  Atualizações do Covid Live: notícias, restrições e muito mais da Omicron

“Eles nos dizem que não vai acontecer amanhã”, disse Putin. “Bem, quando isso vai acontecer? Depois de amanhã? Queremos resolver esse problema agora como parte do processo de negociação por meios pacíficos.”

Na terça-feira, uma série de ataques cibernéticos derrubaram os sites das forças armadas, do Ministério da Defesa e dos principais bancos da Ucrânia, com Serhiy Demidyuk, o segundo funcionário do Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia, culpando a Rússia.

Em Moscou, legisladores russos enviaram na terça-feira um apelo a Putin pedindo que ele reconheça as áreas controladas por rebeldes do leste da Ucrânia como estados independentes – onde a Rússia apoiou rebeldes em um conflito que matou mais de 14.000 pessoas desde 2014. não. Ele tende a apoiar a proposta, que efetivamente prejudicaria o acordo de paz de 2015 que representou um golpe diplomático para Moscou.

___

Mais cobertura da AP sobre a crise na Ucrânia: https://apnews.com/hub/russia-ukraine

___

Kermano reporta de Kiev, Ucrânia, e Cooke de Bruxelas. Dasha Litvinova em Moscou, Amir Madani em Washington, Angela Charlton em Paris, Jill Lawless em Londres e Frank Jordan em Berlim contribuíram para este relatório.