outubro 26, 2021

Fofoca

Notícias sobre as manchetes de Portugal no NewsNow: o balcão único para

89% dos portugueses têm que trabalhar em outro município

A maioria dos portugueses afirma que a epidemia mudou a forma como vêem o trabalho.

De acordo com o ECO, em Portugal, 89% dos profissionais têm oportunidade de trabalhar à distância de um concelho onde agora residem, se tiverem oportunidade, se aí encontrarem as condições adequadas.

“Estes dados revelam os efeitos da epidemia no estilo de vida e os portugueses olham para a sua actividade profissional, em que vivemos uma visão que não se limita a um pequeno ajustamento às regras, regulamentos e adaptação a determinados momentos da situação, mas onde morar, onde trabalhar e, acima de tudo, local Por uma mudança profunda dos executivos que afetará a decisão de que os lugares onde moram e trabalham atendam a novas expectativas ”, disse Philip Rocket. Diretor-Geral da Bloom Consulting Portugal, citado em comunicado.

Na verdade, é uma das principais conclusões do inquérito da empresa, que inclui inquéritos a mais de mil especialistas de 18 distritos portugueses, com o objectivo de compreender a dimensão e definição destes impactos. Segundo dados da Bloom Consulting, esta tendência é mais acentuada no Porto: 91% dos portugueses que vivem e trabalham no Porto preferem trabalhar remotamente a partir de outro concelho.

De acordo com o modelo de trabalho esperado pelos profissionais portugueses, um híbrido parece ser a solução que mais aproxima as pessoas, nomeadamente dos 18 aos 24 anos, dos 25 aos 34 anos e dos 35 aos 44 anos. . Gerações com mais de 45 anos se opõem a essa tendência de trabalho.

Apesar das diferenças entre as faixas etárias, 73% dos portugueses afirmam não querer voltar a trabalhar 100% pessoalmente. No entanto, os modelos são diferentes: 42% preferem combinar escritório e trabalho remoto e implementar um sistema híbrido em sua empresa; E 27% dizem que querem trabalhar 100% remotamente.

READ  Portugal está na vanguarda da vacinação na Europa depois da campanha de saúde pública

Mas também há quem queira voltar a trabalhar a tempo inteiro no cargo, visto que 31% dos portugueses reafirmam a noção de “mesmo tamanho fit”. E não pode estar desatualizado.

“Pode-se dizer que também há uma grande vontade de mudar o paradigma, apenas 23% das pessoas querem que seu local de trabalho seja um pouco antes do período epidêmico”, finaliza a pesquisa.