Recuse-se a se instalar

load...

Estabelecendo-se em: Será que encontrar “aquele” significa sacrificar a faísca da atração? Naah! Mesmo quando você clica em cada outro convida forma e casamento estão obstruindo sua caixa de correio, que ainda paga para ficar seu próprio curso

Era uma tarde de domingo em novembro, e eu estava prestes a conhecer o número bacharel de quatro na minha nova campanha para ter a mente aberta sobre as possibilidades de namoro online. Como eu andamos de bicicleta para atender Tom em uma casa de chá, eu prometi a mim mesma que eu não esperaria luxúria imediata. Talvez fosse apenas um aceno de cabeça em direção à realidade; quando você conhece alguém aleatoriamente, com base em uma imagem, um perfil, e alguns e-mails Coy, as chances de atração mútua não são grandes. Não surpreendentemente, a visão de Tom – com calças de lã e camisola da marinha, e em 5’7″ cinza (uma polegada mais curto do que eu) – não me ligue Ele simplesmente não era o meu tipo Mas ao longo dos próximos 4 horas.. De chá e conversa, algo estranho transpareceu online datas anteriores haviam senti como entrevistas de emprego, com perguntas e respostas sessões de cerca de irmãos e o inevitável “Há quanto tempo você viveu em San Francisco?” com Tom eu bateria o namoro jackpot on-line:. A conversa era natural e livre-fluindo Quando nos separamos não houve beijo, mas ambos claramente que gostaríamos de ver outra vez o nosso segundo encontro, 4 dias depois:… Diários de Motocicleta foi a minha sugestão e um erro eu percebi., logo que começaram as primeiras cenas Note to self: Nunca vá para um filme estrelado por Gael García Bernal com alguém que você não são esmagadoramente atraídos não é apenas justo para ninguém envolvido Tom é Yale-educado, mas ele não tinha pretensões..: ele confessou que não tinha percebido que Diários de Motocicleta estava prestes Che Gueva ra até ao fim. Ele tinha pensado que o filme era apenas um filme artístico sobre dois caras em uma viagem por toda a América do Sul. Que ele poderia receber este foi hilariante cativante para mim. Após o filme, tivemos um par de bebidas. À medida que empacotados em nossos casacos, meu nível de ansiedade começou a subir. No segundo momento, um beijo de boa-noite poderia estar em ordem. Uh-oh. Ele é perfeito, exceto. Tom era inteligente, engraçado, pensativo, e ele fez todas as coisas certas com confiança. Ele me chamou sem jogar jogos. Senti uma calma singular em torno dele, uma bolha em que outras preocupações não intrometer. Mas por alguma razão – alguns incognoscível falta de feromônios entre nós, ou seu próprio comportamento (mais agradável do que comandar) – suave beijo era tudo que eu poderia reunir na forma de interação sexual. Convidando-o dentro da minha casa parecia quase impensável. A resposta para o meu dilema deveria ter sido fácil: Não continue a ver homens você não está atraído. Mas quando tudo o resto está lá – a ligação emocional, as brincadeiras arremesso perfeito, que grande facilidade entre duas pessoas – e convites de casamento continuam a aparecer na caixa de correio, torna-se mais difícil de bater a porta na atração gradual mítico. Quanto tempo você esperar para descobrir se há um fator-X? Por esta altura, um colega me contou a história de conhecer o marido em Match.com. Ela pode levá-lo ou deixá-lo na primeira data, mas por data cinco foram tateando pernas uns dos outros durante o jantar. Eu decidi cinco seria o meu número mágico – tempo suficiente para deixar o amor florescer, mas não tanto tempo que eu levaria Tom ligado ou ficar preso em um relacionamento lustless de falso beijo. Para a maior parte, nós nos divertimos. Na data de número quatro, nós estávamos em nossa maneira de ver outro filme, Vera Drake, e eu me perguntei em voz alta se era imoral para contrabandear uma garrafa de Diet Coke sob minha jaqueta em uma casa filme bairro lutando. Tom riu e disse que eu devia sentir culpada por um monte de coisas. Mais uma vez, Tom me pegou. Eu peguei ele. Ele pensou meus defeitos neuróticos eram bonitos. Ainda assim, quando ele estava prestes a me deixar, um nó na minha garganta, uma sensação física que eu experimentei desde o colegial, quando eu estou em um encontro com um cara que eu não quero beijar. Meu corpo revoltas e me diz: Sasha, sair do carro. Para mim, ser solteira não é difícil. Eu gosto da minha liberdade. Mas ocasiões como estas – clicando com um cara em todos os sentidos menos a “faísca” – traz em uma lavagem de dolorosa auto-interrogatório, tornando-me pergunto se todos esses anos de ser único é porque há algo de errado comigo. Estou com medo de ficar com um cara que gosta de mim e está realmente disponível? Será esta uma crença subconsciente, auto-destrutiva que eu realmente não merecem o cara legal? Bem-vindo à mente torturada de uma mulher single “exigente”. Eu gostaria de poder dizer-lhe que uma luz acendeu no meu corpo que me fez arrastar Tom no andar de cima para descobrir um lothario surpresa ou que eu desisti de atração sexual e percebi que estou mais feliz com o amigo-as-sócio-as-bosom- camarada. Por que o corpo importa? Porque ele faz. Há um segundo cérebro em nossos corpos, localizado em nosso intestino. Intuitivamente eu sabia isso durante meus vinte anos – eu nunca teria continuado com 5 semanas de auto-flagelação, tentando ser atraído por alguém que eu não queria beijar. Mas, recentemente, eu estou mais disposto a entreter pensamentos de compromisso. Eu virei minha vida amorosa em um experimento científico social. Eu gostava Tom até os confins da terra, mas toda a minha alegria em encontrar uma alma gêmea tinha drenada sob a pressão de tentar transformá-lo em um namorado. Não buts sobre ele nosso último encontro (número cinco) foi uma sexta-feira noite. Depois de comer, vagou pelas ruas de nosso bairro. Tom queria para obter uma bebida, mas eu perguntei se poderíamos sentar-se em um banco nas proximidades. Eu comecei o meu discurso preparado. “Tom, eu quero que você saiba o quanto eu gosto de você, eu acho que você é fenomenal.” “Chegar ao mas,” disse ele. “Mas? Eu não sinto que o nosso relacionamento está indo em uma direção romântico.” “Vai levar um par de horas para o meu ego para se recuperar”, ele respondeu. “Mas eu sei que o que você está fazendo não é fácil.” Neste momento de honestidade emocional, seus olhos pareciam tão castanhos e aberto. Ele parecia ser uma pessoa tão forte, real. Talvez nós estávamos frustrados por reunião on-line, através da natureza artificial de jantares e xícaras de café. Mas pare, pare, pare – ambivalência não mais interminável. Nós nos abraçamos, e enquanto eu observava a figura de Tom recuar na rua, eu me senti desapontado. Se a experiência prova correta, é muito raro para uma amizade nascente para se recuperar de uma falha de ignição namoro. Mas eu estaria mentindo se eu dissesse que eu não sentia um certo burburinho de euforia. Subindo as escadas para o meu apartamento – sozinha numa sexta à noite, às 10 PM – Senti libertação, uma mola no meu passo, um sentimento oh-meu-deus. Eu não estava apaixonada, mas pelo menos eu tivesse sido honesto com Tom – e fiel a mim mesmo. Adaptado de Antes do Mortgage: histórias reais de Brazen ama, locações quebrados, eo perplexos Perseguição da vida adulta, que deve sair este mês.

Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

load...