O que realmente gosta de sair, de acordo com 4 mulheres

load...

“De repente, eu tive que responder a perguntas e tentar explicar-me a todos.”

Sair do armário é um grande direito de passagem na comunidade LGBT. Enquanto a sociedade é geralmente tornando-se mais aceitar de gays, lésbicas, bissexuais, transgêneros e pessoas estranhas, discutindo a sua sexualidade ou orientação sexual com aqueles que você ama, pela primeira vez ainda é difícil e esmagadora para muitos. Infelizmente, ser abertamente “out” significa muitas vezes uma pessoa corre o risco de perder a família e amigos, ou sendo intimidado e assediado. Assim, enquanto ele pode ser uma experiência gratificante afirmando, também leva imensa coragem.

Em homenagem ao dia de sair do armário, pedimos quatro mulheres corajosos para compartilhar seus próximos-out experiências como eles fizeram isso, que eles disseram, e como eles se sentem sobre tudo agora.

(Quer maior novidade do dia e histórias de tendências entregues à sua caixa de entrada? Assine nosso boletim informativo “Então isto aconteceu”.)

load...

“Eu tive que sair duas vezes para minha mãe-que é o quanto ela não queria acreditar que eu era gay.

“A primeira vez foi no colégio, depois de ter sido suspenso por reagir com as pessoas que fazem o divertimento de mim por ser lésbica. Não foi apenas algumas palavras ou-eu tive que lidar diariamente com caras vindo até mim perguntando se eu queria ter um trio, e se é verdade vaginas menina preta gosto de leite com chocolate. Quem não gostaria de lutar contra esse tipo de estupidez e crueldade? Ainda assim, minha mãe se recusou a reconhecer o meu melhor amigo como minha namorada e disse que era ‘ apenas uma fase.’ Ela pensou que, porque eu não me vestir como um homem e tem cabelo curto, eu não poderia ser lésbica.

“Vários anos depois, em 2017, eu ‘saiu’ de novo quando minha mãe descobriu sobre o meu novo parceiro através da mídia social. Ela não levá-la melhor desta vez. Apesar de ser seu filho-I maior responsável foi o único um para terminar o ensino médio, eu praticar sexo seguro, e eu nunca fiz drogas que ela ainda me tratou muito mal, não chamando ou me convidando para eventos familiares e ignorando completamente a minha namorada. Eu senti como se não importa o quão duro eu tinha tentado ser este filha perfeita e fazer tudo o que ela me pediu, não significava nada para ela.

load...

“Agora, quatro anos mais tarde, eu estou vendo alguma mudança real na minha mãe. Enquanto ela ainda faz comentários rudes e diz que espera que a minha sexualidade é apenas uma fase, ela está mais aceita a minha namorada em nossa família. (Ele ajuda que a minha namorada é uma pessoa versátil incrível, do tipo que pode fazer amizade com ninguém, incluindo a minha mãe!) ela ainda acha que é bobagem que eu tenho uma namorada, que dói, mas eu estou esperançoso de que algum dia ela não vai se envergonhar de mim. Olhando para trás na minha experiência que sai, a única coisa que teria mudado era para sair com minha mãe mais cedo. Talvez então ela não pegue a minha vida amorosa como uma piada “. -Jay, 29, Redwood City, CA

Essas celebridades transgêneros estão quebrando barreiras e fazendo história:

“Eu tinha 32 anos quando tive meu primeiro relacionamento com uma mulher. Não foi uma intencional ‘Eu sou gay’ coisa, mas mais que éramos amigos que tinham muito em comum e algo apenas me atraiu para ela. Nós nos conhecemos através roller derby e nosso relacionamento evoluiu muito rapidamente, como ouço é bastante comum em muitos relacionamentos do mesmo sexo feminino.

“Eu caí no amor com ela rápido e forte, então eu meio que ‘saiu’ a todos de uma vez. Não foi um enorme anúncio ou uma festa ou qualquer coisa assim, apenas ‘Ei, esta é a minha namorada e você pode aceitá-la ou não, eu realmente não me importo.’ Nós éramos um casal, de mãos dadas em público, e apenas fazer as coisas normais todos os casais fazem. Eu estava tão apaixonado no momento, não me importa o que ninguém pensou nisso.

load...

“Talvez porque eu era um pouco mais velho, quando eu saí, ou talvez seja apenas a minha personalidade, mas eu sempre tive um ‘é o que é’ atitude sobre a minha sexualidade. Estou atraídos para as pessoas que eu estou atraído a causa de quem eles são, não por causa de seu gênero. Eu não vou trabalhar para caber em alguém da idéia de que eu deveria ser ou estar com. Meus verdadeiros amigos nunca me tratado de forma diferente e eu sou grato que eu foi aceito pela maioria, quase imediatamente.

“Infelizmente aquele primeiro relacionamento terminou terrivelmente, mas eu não me arrependo de todo. Relacionamentos terminam mal, por vezes, e eu aprendi muito sobre mim mesmo dela. Ela me mostrou o quão forte eu sou e que tenho a capacidade de lidar com a mudança de vida situações. Minha experiência também me fez mais aberto sobre chegar aos outros que vejo pode estar lutando com a sexualidade ou identidade. Eu não cair em uma caixa pequena pura. Já namorei homens e mulheres, e me considero pansexual -Estou atraídos para não pessoas de peças. Isso tem jogado algumas pessoas para um laço, tanto nas comunidades heterossexuais e gays, mas eu me recuso a deixá-los me definir. Eu nunca estive disposto a esconder meus relacionamentos e estou verdadeiramente agradecido por estar em um tempo e lugar onde isso não é tão perigoso como era antes ou continua a ser em outros lugares “. -Heather, 37, St. Petersburg, FL

Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

“Não foi minha escolha para sair. I foi tirado do armário pelo meu melhor amigo no colégio. Eu disse a ela sobre a minha sexualidade na confiança e ela acabou dizendo, bem, todos os outros.

load...

“Foi muito traumático na época. Eu não estava pronto para ser fora-out (e ainda estava chegando a um acordo com a minha sexualidade eu), mas, de repente, eu tive que responder a perguntas e tentar explicar-me a todos. Havia um monte de lágrimas e desgosto durante esse tempo.

“Felizmente, as crianças na minha escola foi muito legal sobre isso. Muita gente ainda disse coisas como, ‘É sobre o tempo’ ou ‘Sim, era óbvio.’ Isso me fez sentir better.but também uma espécie de aborrecido porque era como se todo mundo já sabia, por que eles não me diga? Tudo ainda é sentida muito novo para mim.

“Saindo para a minha família era muito mais difícil. Meus pais descobriram que eu era lésbica através da cadeia de fofocas. Um dia minha mãe perguntou: ‘Isso é verdade?’ e eu disse, ‘Eu acho que sim.’ Eles não falar muito sobre isso depois que-na verdade, eu não acho que eu já tive uma conversa real com meus pais sobre ser gay, mas quando eu trouxe a minha namorada em casa, eles agiram bem com ele. Houve alguma tensão, mas eu não sabia se era porque eu estava namorando uma menina ou porque eu estava namorando em tudo.

“Agora que estou na faculdade, eu estou fora para a maioria das pessoas e se sentir confortável falando sobre isso. Eu sou ativo na comunidade LGBT. Estive com a minha atual namorada por oito meses e ele está indo muito bem. E sim , perdoei meu amigo de escola. Acabamos em faculdades diferentes, mas se manter em contato através Instagram. Eu não estou bravo com ela mais e olhando para trás, foi uma espécie de presente. Ela poderia ter me forçado a falar sobre a minha sexualidade antes que eu estava pronto, mas que acabou por ser um alívio.” -Anna, 20, Minneapolis, MN

“Não consigo me lembrar quando eu soube que primeiro eu estava atraído por meninas, mas eu sei que eu nunca me lembro de uma vez que eu estava atraído por meninos. Quando fiquei mais velha comecei a perceber o que isso significava. Cerca de 16, eu desenvolvi um grande queda por um amigo e decidi que precisava para sair, mas eu não tinha certeza de como fazê-lo. Até então eu tinha vestido com roupas normais, mas ligeiramente andróginos como calções de basquete, corredores e t-shirts. Mas eu ‘d secretamente sempre em moda masculina e eu gostava de experimentar as roupas do meu irmão em casa. Então eu decidi experimentar com incorporando laços, blazers e botão para baixo camisas em meu guarda-roupa. E, em seguida, um par de meses depois, para o toque final, eu cortava minha cintura de comprimento cabelo loiro em uma cultura ruby ​​Rose com laterais raspadas e uma parte mais difícil.

“Minha mãe ficou horrorizada. ‘Você se parece com uma lésbica’, disse ela. ‘Bem, eu estou’, respondi. E foi isso. Eu estava fora.

“Não foi fácil, porém, e ele ficou ainda mais difícil quando eu anunciei que estou transgênero. I foi única menina da minha mãe e ela ainda tem dificuldade em aceitar que agora ela tem dois filhos. Na verdade, eu acho que tem sido ainda mais difícil para. Ela do que aceitar que eu me sinto atraído por mulheres, honestamente ela explicou-me que ela está passando por um processo de luto, ela se sente como ela perdeu a filha Mas estamos trabalhando com ele..

“Nesse meio tempo, eu nunca tive a minha paixão colegial me notar, mas eu tive vários relacionamentos de longo prazo desde então. Eu ainda estou procurando a senhora bem embora!” -Max, 24, Los Angeles, CA