Cirurgia de bypass gástrico não para bebedores

Nova pesquisa realizada nos EUA mostra que a cirurgia de bypass gástrico, que é realizada em pacientes obesos para limitar sua ingestão de alimentos, pode dobrar o risco de problemas relacionados ao álcool, dois anos após o procedimento, em comparação com a banda gástrica laparoscópica menos invasivo.

O primeiro estudo a investigar o risco de transtornos por uso de álcool antes e depois de cirurgias de obesidade encontradas que pouco mais de nove por cento dos pacientes com bypass gástrico desenvolvido problemas com a bebida dois anos após a cirurgia, um aumento significativo em comparação com antes do procedimento. Este foi comparado com cerca de seis por cento dos pacientes que beber problemas (incluindo consumo excessivo de álcool, beber de manhã, e desmaiar enquanto beber) após a cirurgia de bandas laparoscópica, relataram os investigadores depois de analisar quase dois mil pacientes de dez hospitais norte-americanos.

Cirurgia de bypass gástrico parecia aumentar a sensibilidade do paciente ao álcool, permitindo que mais álcool para entrar na corrente sanguínea em um ritmo mais rápido, de acordo com o pesquisador Dr. Wendy King da Universidade de Pittsburgh. ‘É preocupante que um em cada oito participantes informaram consumir pelo menos três bebidas por dia de beber típico e um em cada seis participantes relataram o consumo a um nível perigoso no segundo ano pós-operatório’, ela e seus colegas disseram.

Independentemente da história de álcool, os pacientes devem ser informados sobre os potenciais efeitos da cirurgia de bypass gástrico foi aconselhado. Bypass gástrico e outras cirurgias de perda de peso são efectuadas em pessoas cujo índice de massa corporal (IMC) é quarenta ou mais elevada (obesidade extrema). Também é comumente realizado em pessoas com um IMC de trinta e cinco anos e acima, que também têm graves problemas de saúde relacionados com o peso, como diabetes tipo 2, hipertensão arterial ou apnéia do sono grave.

Fonte: http://www.itsmyhealth.com.au